Aproveite

:

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Em meio à crise econômica, vereadores de São Paulo aumentam seu próprio salário. Por 30 votos a 11, os vereadores de São Paulo conseguiram aprovar nesta terça-feira, 20, o aumento de seus próprios salários em 26,3% a partir de 2017. 
  • A aprovação do reajuste salarial pode ser considerada a primeira “desobediência” por parte de vereadores que vão compor a base do prefeito eleito João Doria (PSDB), que assume em 1º de janeiro. Doria se manifestou diversas vezes contra o aumento.
  • A inclusão do projeto na pauta da sessão e a sua aprovação, em meio a um cenário de crise econômica do País, levaram menos de cinco minutos. 
  • Votaram Contra o aumento
  • Nesta terça-feira, votaram contra o aumento salarial 11 vereadores: Toninho Véspoli (PSOL), Ricardo Nunes (PMDB), Mario Covas Neto (PSDB), Patrícia Bezerra (PSDB), Aurélio Miguel (PR), Gilberto Natalini (PV), Aurélio Nomura (PSDB), José Police Neto (PSD), Ota (PSB), Andrea Matarazzo (PSDB) e Salomão Pereira (PSDB).
  • O projeto de resolução, da Mesa Diretora da Casa, foi publicado no Diário Oficial da Cidade do último dia 16. O texto prevê que o subsídio mensal dos 55 vereadores paulistanos suba dos atuais R$ 15.031,76 para R$ 18.991,68 a partir de 2017, valor que corresponde a 75% dos salários dos deputados estaduais, índice máximo de salário permitido pela Constituição Federal. 
  • A lei proíbe que os vereadores aumentem seus próprios salários numa mesma legislatura. O último reajuste dos parlamentares ocorreu há quatro anos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário