Aproveite

:

terça-feira, 13 de junho de 2017

Em sua coluna publicada nos jornais desta terça-feira (13), a jornalista Míriam Leitão relata ter sido alvo de ataques proferidos por integrantes do Partido dos Trabalhadores (PT) ao embarcar em um voo de Brasília para o Rio de Janeiro. Segundo Míriam, as agressões verbais começaram ainda antes de portão de embarque e continuaram dentro da aeronave.

Sofri um ataque de violência verbal por parte de delegados do PT dentro de um voo. Foram duas horas de gritos, xingamentos, palavras de ordem", descreveu a jornalista

  • Sofri um ataque de violência verbal por parte de delegados do PT dentro de um voo. Foram duas horas de gritos, xingamentos, palavras de ordem contra mim e contra a TV Globo. Não eram jovens militantes, eram homens e mulheres representantes partidários. Alguns já em seus 50 anos. Fui ameaçada, tive meu nome achincalhado e fui acusada de ter defendido posições que não defendo.
  • Sábado, 3 de junho, o voo 6237 da Avianca, das 19h05, de Brasília para o Santos Dumont, estava no horário. O Congresso do PT em Brasília havia acabado naquela tarde e, por isso, eles estavam ainda vestidos com camisetas do encontro. Eu tinha ido a Brasília gravar o programa da Globonews.
  • Uma comissária, a única mulher na tripulação, veio, abaixou-se e falou:
  • “O comandante te convida a sentar na frente”.
  • “Diga ao comandante que eu comprei a 15C e é aqui que eu vou ficar”, respondi.
  • O avião já estava atrasado àquela altura. Os gritos, slogans, cantorias continuavam, diante de uma tripulação inerte, que nada fazia para restabelecer a ordem a bordo em respeito aos passageiros. Os petistas pareciam estar numa manifestação. Minutos depois, a aeromoça voltou:.
  • “A Polícia Federal está mandando você ir para frente. Disse que se a senhora não for o avião não sai”.
  • “Diga à Polícia Federal que enfrentei a ditadura. Não tenho medo. De nada”.
  • Não vi ninguém da Polícia Federal. Se esteve lá, ficou na porta do avião e não andou pelo corredor, não chegou até a minha cadeira.
  • Durante todo o voo, os delegados do PT me ofenderam, mostrando uma visão totalmente distorcida do meu trabalho. Certamente não o acompanham. Não sou inimiga do partido, não torci pela crise, alertei que ela ocorreria pelos erros que estavam sendo cometidos. Quando os governos do PT acertaram, fiz avaliações positivas e há vários registros disso.
  • Durante o voo, foram muitas as ofensas, e, nos momentos de maior tensão, alguns levantavam o celular esperando a reação que eu não tive. Houve um gesto de tão baixo nível que prefiro nem relatar aqui. Calculavam que eu perderia o autocontrole. Não filmei porque isso seria visto como provocação. Permaneci em silêncio. Alguns, ao andarem no corredor, empurravam minha cadeira, entre outras grosserias. Ameaçaram atacar fisicamente a emissora, mostrando desconhecimento histórico mínimo: “quando eles mataram Getúlio o povo foi lá e quebrou a Globo”, berrou um deles. Ela foi fundada onze anos depois do suicídio de Vargas.
  • Not\Gazetaonline\fotoGlobonews

Nenhum comentário:

Postar um comentário